Esquizofrenia – Tipos, Principais sintomas, Causas, Tratamento esquizofrenia - Esquizofrenia Tipos Principais sintomas Causas Tratamento 860x573 - Esquizofrenia – Tipos, Principais sintomas, Causas, Tratamento

Esquizofrenia – Tipos, Principais sintomas, Causas, Tratamento

Print Friendly, PDF & Email esquizofrenia - printfriendly pdf email button md - Esquizofrenia – Tipos, Principais sintomas, Causas, Tratamento
Esquizofrenia – Tipos, Principais sintomas, Causas, Tratamento
5 (100%) 1 voto

A esquizofrenia pode causar a desestruturação psíquica e isto pode influenciar na capacidade do paciente. Devido à doença, é possível que influencie a forma de pensar, sentir, e até mesmo em seu comportamento.

Hoje, o tratamento não pode curar a doença, porém, pode ajudar. Este problema crônico pode ocorrer por anos ou então durante toda a vida.

Apesar da causa exata não ser clara, existe outras questões que são bem esclarecidas. Para saber sobre a doença acompanhe mais informações no artigo.

O que é a esquizofrenia ?

A esquizofrenia faz com que a pessoa não apresente uma noção da realidade. Neste ponto ela tem dificuldade em saber diferenciar o que é real ou imaginário.

Conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), a esquizofrenia pode ser uma das causas da diminuição de vida dos 15 e os 44 anos.

Cerca de 1% da população mundial tem a doença. A incidência é maior em adolescentes, com início durante os 20 anos nos homens, e nas mulheres pode ser dos 20 anos até os 30 anos.

Tipos de Esquizofrenia

Hoje existem sete tipos de esquizofrenia. Para entender um pouco de cada, confira a seguir suas principais características.

  • Esquizofrenia paranoica

Este tipo tem o seu desenvolvimento em idade avançada e tem como sintoma alucinação, delírio, mudança na fala e emoção.

  • Esquizofrenia hebefrênica ou desorganizada

Este tipo pode se desenvolver durante a idade de 15 e 25 anos. O paciente pode ter comportamento desorganizado. Os sintomas podem ser os delírios e alucinações que costumam ocorrer de forma rápida.

  • Esquizofrenia catatônica

A catatônica pode ser notória em movimentos e fala, além do extremo, sendo uma grande agitação ou extrema quietude. Este tipo de esquizofrenia é a forma mais rara.

  • Esquizofrenia indiferenciada

Suas características podem ser paranóicas, a hebefrênica ou a catatônica.

  • Esquizofrenia residual

Nesta, o usuário possui histórico de doenças mentais e alguns sintomas como pode ser visto adiante.

  • Esquizofrenia simples

Nesta situação os sintomas são recorrentes e podem piorar de forma rápida. Os sintomas positivos também são mais raros.

  • Esquizofrenia cenestopática

O paciente tem características na qual não são abrangidas por outro tipo apresentado.

Causas e Fatores de risco

Não existe uma causa certa, mas cientistas e pesquisadores demonstram que isto pode permitir que a doença se desenvolva.  Abaixo trazemos alguns dos possíveis fatores de risco.

  • Genética

Devido a diversas pesquisas, é possível que a genética seja uns dos fatores responsáveis pelo caso. Deste modo, 50% dos casos são pela esquizofrenia e os outros 50% devido aos fatores ambientais.

Em evidência, os dados mostram a possibilidade por meio dos estudos feitos com gêmeos idênticos. Na pesquisa de 19 de outubro de 2016 no Jornal Nature, a doença pode desenvolver quando o cérebro do feto está se formando. Além disso, as informações revelaram que o causador não é somente um gene, mas a heterogeneidade.

  • Circuitos químicos do cérebro

Os usuários que sofrem com a esquizofrenia podem ter regulações anormais dos neurotransmissores. Isto pode afetar as células do pensamento e comportamento.

  • Fatores ambientais

Como existe uma grande complexidade metodológica, possuem poucos estudos relacionados aos fatores ambientais. Mas alguns pontos foram analisados, como:

Período Pré-Natal

  • Depressão durante a gravidez;
  • Desnutrição materna;
  • Gravidez indesejada;
  • Morte do marido;
  • Viroses no segundo trimestre de gravidez;

Período Neonatal

  • Complicações na gravidez;
  • Complicações no parto;
  • Crescimento ou desenvolvimento anormal do feto;
  • Perda de um dos pais ( forma precoce);

Primeira Infância

  • Experiências psicológicas negativas;
  • Infecções do Sistema Nervoso Central (meningite, encefalite ou sarampo);
  • Traumas, como abuso físico e/ou sexu;.

Adolescente

  • Uso de drogas( maconha e LSD);

Sintomas da Esquizofrenia

Cada usuário pode ter um sintoma diferenciado em relação a doença. Cada indivíduo pode apresentar a manifestação de uma forma diferente. Inclusive, estes sinais podem vir de modo abrupto. Para conhecimento, veja alguns comportamentos que podem ter relação, como:

  • Evitar as atividades sociais;
  • Comportamento inapropriado ou estranho;
  • Escutar ou ver algo que não é real;
  • Inabilidade em dormir ou  falta de concentração;
  • Maneira peculiar ou sem sentido de escrever ou falar;
  • Sem cuidado com a higiene e aparência;
  • Mudanças na personalidade;
  • Posição estranha do corpo;

Sintomas positivos

Os sintomas positivos da esquizofrenia são aqueles não quais não são considerados normais. Por ser possível que os usuários a apresentem e sofram com a noção de alguns itens da vida.

Estes sintomas positivos podem ser:

  • Alucinações

A alucinação pode fazer com que o paciente veja, ouça, ou então tenha as alucinações em cheiros e gostos. Ainda é possível que ele sinta coisas que não existem, fazendo com que a situação torne-se real.

Conforme relatos, eles podem ser rudes, críticos, abusivos ou perturbadores. Alguns ainda falam que podem ser amigáveis e agradáveis. Estes usuários podem discutir, conversar, e até ouvir as vozes de locais diferentes.

  • Delírios

O delírio ocorre quando o paciente acredita que está acontecendo algo ou é alvo. Isto pode partir desde a perseguição ou espionagem. Estes episódios podem ser repentinos ou podem se desenvolver em semanas ou meses, e deixar a pessoa agressiva.

  • Pensamentos desordenados

Devido a alucinações e delírios, os usuários que sofrem do transtorno esquizofrênico podem ter dificuldade nos pensamentos e ações.

  • Postura e habilidade motora

Os usuários com esquizofrenia podem ter os movimentos desordenados e agitados sem qualquer motivo. Em alguns casos é possível que exista uma dificuldade em fazer determinadas tarefas. Deste modo, o paciente pode ter uma postura inadequada ou realizar movimentos excessivos ou inúteis.

Sintomas presentes nos adolescentes

Os jovens podem ter sintomas parecidos com os adultos. No entanto, é possível ter uma maior dificuldade de reconhecimento. Isto é mais difícil, pois os indícios da esquizofrenia na adolescência podem ser comuns, como:

  • Queda no desempenho na escola;
  • Problemas para dormir;
  • Irritabilidade ou humor deprimido;
  • Falta de motivação.

Outros sintomas da esquizofrenia

Além dos apresentados acima é possível que outros sintomas façam parte do quadro da doença. São eles:

  • Incapacidade de conseguir sentir prazer;
  • Isolamento social;
  • Não alterar as expressões faciais;
  • Sem emoções ou apatia;
  • Negligência na higiene pessoal;
  • Perda de interesse em atividades cotidianas;
  • Ter fala monótona e sem adição de quaisquer movimento com ênfase emocional ao discurso.

Diagnóstico de Esquizofrenia

Não existem exames médicos que consigam diagnosticar a esquizofrenia.  Para que isto seja analisado é necessário ter o apoio de um psiquiatra. O médico vai ser capaz de verificar se existe a doença, inclusive, para isto é feito uma entrevista minuciosa com a pessoa ou  os familiares.

Além disso, diversos especialistas usam o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais para critério da doença.

Tratamento

O tratamento ocorre durante toda a vida do paciente, até quando não existem mais sintomas. Para o cuidado, é utilizado medicamentos e terapia psicossocial.

Durante uma crise o paciente pode ser internado. Isto é necessário para que ocorra a segurança, alimentação, além de outros cuidados básicos com o paciente.

Esta ajuda pode partir por meio do uso medicamentosos, sendo com remédios antipsicóticos e outros, e não medicamentosos com terapia e outras abordagens para reintegração.

Este cuidado consiste também através de uma equipe como psicólogo, assistente social, enfermeiro e outros.

Convivendo com a esquizofrenia

Como vimos, não existe uma cura para a esquizofrenia, mas pode ter controle com as formas corretas de tratamento para o paciente poder conviver com a doença sem que ocorra qualquer complicação.

Caso você apresente a doença, existem formas de controle como:

  • Atenção ao sono;
  • Ficar longe do álcool e drogas;
  • Manter sob controle o estresse.

Já quem precisa conviver com um amigo ou familiar que apresente o sintoma, existem meios de dar suporte. Entre os casos:

  • Auxilie no uso dos medicamentos prescritos;
  • Evite que o paciente faça o uso de drogas e álcool;
  • Pacientes que não tem noção da doença precisam que você demonstre apoio, seja prestativo;
  • Procure responder de forma calma, já que o paciente vê as alucinações como algo real.

De qualquer forma, quando a esquizofrenia não é tratada pode causar problemas e limitações.  Apesar de não existir formas de prevenir a doença, quando ela for diagnosticada mais cedo, mais fácil será o tratamento e controle da doença.

Todo o conteúdo deste artigo é informativo e tem como intenção informar o leitor. Para ter mais informações a respeito da doença é recomendado que procure um médico especialista.

Referências:

 

Nos conte sua opinião!

x'