Doença Hepatite autoimune. O que é? Tipos, sintomas, diagnóstico, tratamento e tratamento hepatite autoimune - Doen  a Hepatite autoimune - Doença Hepatite autoimune. O que é? Tipos, sintomas, diagnóstico, tratamento e tratamento

Doença Hepatite autoimune. O que é? Tipos, sintomas, diagnóstico, tratamento e tratamento

Print Friendly, PDF & Email hepatite autoimune - printfriendly pdf email button md - Doença Hepatite autoimune. O que é? Tipos, sintomas, diagnóstico, tratamento e tratamento
Doença Hepatite autoimune. O que é? Tipos, sintomas, diagnóstico, tratamento e tratamento
5 (100%) 1 voto

A Hepatite autoimune é uma doença em que o sistema imunológico do doente passa a agir contra as células e tecidos do próprio organismo. Essa reação do organismo provoca inflamação no fígado. Quando o diagnóstico é feito no início da doença, o organismo reage melhor ao tratamento, enquanto o tratamento tardio pode levar o enfermo a óbito. Por isso, saiba quais são os sintomas da doença, o diagnóstico e as formas de tratamento.

Ela não é uma doença comum, pois atinge em média entre 11 e 17 pessoas a cada 100.000 pessoas e não é transmissível. Essa doença atinge um número maior de indivíduos jovens do sexo feminino (tipo 1). Apesar disso, ela também ocorre em crianças adolescentes (tipo 2) ou adultos do sexo masculino. Por isso, as mulheres devem ter maior cuidado quando perceberem algum os sintomas.

Doença Hepatite autoimune – O que é?

As causas da hepatite autoimune ainda são desconhecidas, considera-se atualmente que a genética contribui com surgimento da doença, isso associado a infecção por vírus provocado por bactérias ou substância tóxica que confundem o organismo, assim ele passa a criar anticorpos que prejudicam o próprio organismo. Se não for tratada corretamente a doença pode evoluir para  cirrose ou câncer. Apesar de não ter cura, existe tratamento para estabilizar a doença e evitar a evolução dela. Quando o paciente não responde bem ao tratamento, em caso grave, um implante de órgão pode ser necessário.

Hepatite auto imune do tipo 1 e do tipo 2

O tipo 1 ocorre com maior frequência que o tipo 2. Atinge, na maior parte das vezes, indivíduos da faixa etária entre 16 e 30 anos. A média de diagnóstico é 30 anos. Esse tipo pode estar associado com outras doenças autoimunes por exemplo a tireóide. Ele é caracterizado pelos anticorpos FAN e AML.

O tipo 2 atinge crianças e adolescentes, esse é considerado o mais grave. Ele pode estar associado a outras doenças como diabetes e vitiligo. O Anti-KLM1 é o anticorpo característico da hepatite autoimune do tipo 2.

Sintomas do tipo pele pálida e fortes náuseas

Quando o sistema imune do organismo doente trata parte do organismo como ameaça e passa a agir contra o fígado podemos observar os sintomas. Por exemplo, inchaço na barriga, o enfermo apresenta cor pálida, inclusive nos olhos, dor na região abaixo da costela quando apalpada e náuseas fortes, febre enjoo e fraqueza. Algumas vezes pode não ocorrer sintomas, sendo assim, a doença será identificada por exames que detectam o aumento das enzimas hepáticas. Ao verificar esses sintomas procure o médico.

A hepatite autoimune evolui de duas maneiras. Na maior parte das vezes, ela essa evolução é gradual, porém pode ocorrer situações em que a evolução é rápida. A evolução rápida é mais grave.

O diagnóstico por meio do sistema de escores, exames laboratoriais ou biópsias

O diagnóstico é feito normalmente por médico hepatologista ou gastroenterologista. No diagnóstico por scores o médico compara as informações sobre o paciente com uma tabela de valores pré-estabelecida. A depender do resultado, o valor poderá indicar certeza no diagnóstico. Alguns exemplos de parâmetros da tabela são: sexo feminino, fosfatase alcalina, globulinas, gamaglobulinas ou ig, autoanticorpos, marcadores virais, autoanticorpos auxiliares e resposta terapêutica.

Os exames laboratoriais contribuem com o diagnóstico. Eles consistem em dosagem de enzimas e dosagem de anticorpos. Além disso, são realizadas biópsias do fígado e o médico deve excluir outras causas de doenças hepáticas.

sistema imunologico hepatite autoimune - sistema imunologico - Doença Hepatite autoimune. O que é? Tipos, sintomas, diagnóstico, tratamento e tratamento

O tratamento com prednisona, azatioprina ou transplante

O tratamento consiste em reduzir a inflamação do fígado, para isso suprime-se o sistemas imunológico. A alimentação equilibrada também faz parte tratamento. Por isso evite alimentos gordurosos e complemente sua dieta com suplementos alimentares.

O tratamento com medicamentos não tem duração definida, os resultados começam a ocorrer com duas semanas, porém a mais expressiva melhora do paciente costuma ocorrer após 12 meses de tratamento. Antes da ciência desenvolver o tratamento com medicamentos (por exemplo a prednisona, que também pode estar associada a azatioprina), grande parte dos pacientes chegava a óbito no período de 6 meses. Quando ocorre a interrupção do tratamento, antes dos exames mostrarem a melhora do paciente, grande parte destes voltam a apresentar os sintomas. Mesmo após a melhora do paciente, costuma ocorrer a reincidência da doença. Durante a gravidez o tratamento pode ser interrompido para não prejudicar a gestação, visto que nesse período os sintomas da hepatite autoimune parecem ser reduzidos. Devido a reincidência o paciente deverá sempre consultar o médico, principalmente se os sintomas voltarem.

A cirurgia é indicada quando o organismo do paciente não responde bem ao tratamento ou pacientes que já apresentam insuficiência renal, ou seja em casos graves. Ela consiste no transplante de fígado. Mesmo após o transplante a doença pode voltar visto que ela se origina no sistema imunológico e não no órgão afetado.

Os pesquisadores continuam a buscar maneiras eficazes de tratar a doença. O transplante de células tronco, supressão de gene e vacinação de células são alguns dos exemplos que têm sido pesquisados, porém ainda estão em fase de estudos. A expectativa é que eles curem definitivamente a doença.

Você aprendeu sobre a hepatite autoimune. Ela é uma doença rara porém grave. Quando o paciente faz o tratamento correto ele poderá viver ainda por muitos anos. Ao contrário disso, quando ele não trata a doença, ela pode levá-lo a óbito. Por isso, esteja sempre consciente sobre sua saúde. Pratique exercícios físicos e tenha uma dieta saudável, complemente sua dieta com suplementos alimentares. Compartilhe esse artigo nas redes sociais para conscientizar mais pessoas.

Referências bibliográficas:

Nos conte sua opinião!

x'